Pages

segunda-feira, maio 31

Cursiva

Cursiva, de Amy Yoes

Talvez por ser tão abstracta, há precisamente um ano a confundi com um gigantesco caracol verde.
Verde alface, dois "S", voltados de frente. Uma das letras está sempre invertida, tal como figuras ao espelho. Mas, para serem lidas, é preciso olhar do alto, só assim as duas letras perdem os contornos abstractos. Depois, há que a percorrer, entrar nela, subir ao seu dorso e escutá-la, escorregar em brincadeiras de crescidos, e esperar que seja, de novo, ponto de encontro.


quarta-feira, maio 26

Fragmento de Luz


Wrinkles, de PTTB

- Nem sabes o que perdes por não usares óculos.
- O que perco? - perguntou Pete, servindo-se de chá.
- Vou-te dizer. Estás a ver, há sempre um ponto de luz no centro da lente, no centro da tua visão. Não te podes enganar. Não dás um passo em falso. Há sempre, mesmo na noite mais escura, um niquinho, um fragmento de luz, a pairar diante de ti. Ouve cá, há pessoas, sabes isso tão bem como eu, que andam por aí sempre com um vinco na testa. Quando, às vezes, tentam eliminar esse vinco, o mundo ganha sentido, são capazes de investir no que quer que seja. Pois, é isso mesmo, não estou a dizer que eu tenha a mesma perspectiva, só por haver alturas em que me apercebo que este quadrado de luz existe. Mas digo-te uma coisa. O que este ponto de luz faz, é que indica o ângulo da tua órbita. Não precisas de te pôr a olhar assim para mim. Não estás a perceber. Dá-te um sentido de direcção, mesmo que nunca saias do mesmo sítio.

Harold Pinter, Os Anões

segunda-feira, maio 17

Sua Excelência precisa de Rennie!



Fundamentou a aprovação na crise, desvalorizando a lei, porque duma minoria se trata, mas não se esqueceu que lhe pode dar votos na reeleição. Sim, porque o semblante enjoado será a seu tempo sorridente quando nos piscar o olho para reocupar a cadeira.

Por agora, vai precisar de umas quantas caixas de Rennie, tal como eu, quando o vejo pavonear filhas, genros e netos em cada visita oficial de um chefe de estado ao seu palácio.

Afinal somos iguais, Sr Presidente!

quinta-feira, maio 6

Problema de Expressão


"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Ou pelo menos o que me faz agir não é o que sinto mas o que eu digo"

Clarice Lispector, Perto de Um Coração Selvagem

domingo, maio 2

Dia da Mãe


Na minha janela a pique até ao chão não há espaço para jardim, não há varanda ou canteiro, mas o sonho supera a realidade, nos dias que não são especiais, mas que assim ficam quando tudo já lá vai.
Numa simples janela onde nada existe colhi rosas laranja avermelhadas, que no álbum das recordações correspondem às que tantas vezes vieram ter à minha jarra.
No meu sonho desta noite, elas voltaram a ser reais, aquelas rosas que há tanto tempo não vejo . Eram plantadas, cuidadas e colhidas por ti, Mãe, que mas trazias com tanto carinho.