Pages

terça-feira, fevereiro 28

O Comboio e a Estação



A vida não é mais do que uma viagem de comboio, cheia de embarques e desembarques, alguns acidentes, atrasos, esperas e muitos túneis, tantas surpresas agradáveis e outras nem tanto. Quando nascemos entramos numa qualquer estação nesse comboio e juntamo-nos aos nossos pais, depois vêm os irmãos ou não, os amigos e os amores inesquecíveis, os filhos juntam-se ou não. À medida que vai parando nas estações ora sobem ora descem pessoas: tristes, alegres, que deixam saudades eternas ou não, apressadas, calmas ou irrequietas. A viagem é cheia de sonhos, esperas, fantasias, despedidas, atropelos e jamais com retornos. Viajamos no mesmo banco com alguns e nunca repartiremos assento com outros. Alguns aquecem o assento por instantes que serão eternos, outros sentam-se e nem notamos. O comboio circula apenas numa linha, sem ramais e não faz inversão de marcha.

O grande mistério desta viagem afinal é que nunca saberemos em que estação nos apearemos,  numa estação principal ou num apeadeiro sem cais nem cancela. E quando descermos sentiremos saudades? E os que continuam a viagem sentirão saudades, mesmo aquele que está sentado ao nosso lado, aquele que sempre esteve?

1 comentário:

Anónimo disse...

É mesmo e o "cais da chegada é o mesmo da partida".